AERONAVES (QUASE) FAMOSAS: SNCAC NC.3021 Belphégor

SNCAC NC.3021 Belphégor

No final da Segunda Guerra Mundial, a França novamente demonstrou importantes ambições aeronáuticas.

Todos os fabricantes de aeronaves e motores foram nacionalizados e integrados nas sociedades nacionais definidas geograficamente. A principal indústria da SNCAC (Société Nationale de Constructions Aéronautiques du Centre – Sociedade Nacional de Construções Aéreas do Centro) foi a Farman. Como em suas contrapartes “nacionais”, a SNCAC acionou todos os meios e seu escritório de design lançou muitos protótipos. Em alguns casos, projetos iniciados antes da guerra ou clandestinamente durante a ocupação foram retomados.

O NC 3021 Belphégor era um avião experimental, capaz de altitudes muito altas, de 10 a 14.000 metros. Nos limites da estratosfera, deveria ser usado para estudos meteorológicos e pesquisas sobre radiação cósmica. Este protótipo construído no início de 1946 era surpreendente.

Era um aparelho monomotor e enorme, pesando vazio 7.700 kg, com uma envergadura de 22 metros conectada por grandes carenagens a sua grande fuselagem.

Inicialmente o Belphégor seria impulsionado por dois motores Hispano Suiza 12Z montados em linha e equipados com compressores, mas os motores franceses estavam aquém do esperado e os engenheiros tiveram de usar um Daimler Benz DB 610 de 24 cilindros com uma potência máxima de quase 3000 hp.

Esse motor, muito grande, era refrigerado a água e apresentava problemas recorrentes de superaquecimento.

Para proteger a tripulação a 12.000 m, a aeronave estava equipada com uma cabine cilíndrica de 5,30 m de comprimento.

Além do estudo dos raios cósmicos, o Belphégor deveria testar a tecnologia das cabines pressurizadas e o comportamento dos motores de combustão em grandes altitudes.

A cabine oferecia um volume de 11 mno qual a tripulação quase conseguia se levantar. Esse importante interior permitiria que dois cientistas realizassem seus experimentos com inúmeros instrumentos. Uma gôndola de vidro tornou possível a observação para baixo, enquanto o piloto ocupava seu lugar sob um dossel colocado no topo da fuselagem. A tripulação também incluía um operador de rádio e um engenheiro de voo.

Belphégor voou pela primeira vez no dia 6 de junho de 1946 em Toussus-le-Noble. A imprensa da época então anunciou: “um avião que deveria surpreender“. De fato o Belphégor infelizmente não surpreendeu muitas pessoas.

Seu desempenho era muito limitado e a confiabilidade do motor ainda deixava a desejar. Um relatório do Flight Test Center, escrito em maio de 1949, descreveu a aeronave como “muito difícil”. Depois de apenas 40 horas de voo em três anos, e embora seu desenvolvimento ainda não estivesse concluído, o Belphégor foi cancelado em 1949.

fonte: https://www.cavok.com.br/aeronaves-quase-famosas-sncac-nc-3021-belphegor

 

Leave a Reply