Bartini Beriev VVA-14

O Bartini Beriev VVA-14 foi um avião anfíbio de decolagem vertical foi desenvolvido na União Soviética durante a década de 70. Projetado para ser capaz de decolar da água e voar em alta velocidade em longas distâncias, voava em altas altitudes, mas também tinha a eficiência de voar acima da superfície do mar. O VVA-14 foi desenhado por Robert Bartini em resposta a uma exigência para destruir mísseis Polaris submarinos da Marinha dos Estados Unidos (US Navy).


Desenvolvimento:

Bartini, em colaboração com o Bureau de Design Beriev destina-se a desenvolver o protótipo VVA-14 em três fases. O VVA-14M1 era para ser um banco de ensaios aerodinâmicos e tecnológicos, inicialmente com flutuadores rígidos nas extremidades da asa central e mais tarde com estes substituídos por pontões infláveis. O VVA-14M2 era para ser mais avançado, com dois motores de partida em uma cavidade sob a asa para dar uma elevação e, posteriormente com uma bateria de motores de elevação para dar capacidade VTOL, com controles de vôo fly-by-wire. O VVA-14M3 iria ser o veículo VTOL totalmente equipado com armamento e com sistema de guerra anti-submarino, Bor-1 MAD (detector de anomalias magnéticas) e outros equipamentos operacionais.

História:

Após uma extensa pesquisa, incluindo o desenvolvimento do protótipo Be-1, o primeiro protótipo do VVA-14 foi concluído em 1972. Seu primeiro vôo foi de uma pista convencional, em 4 de setembro de 1972.
Em 1974, os pontões infláveis foram instalados, embora sua operação causou muitos problemas. Flutuação e testes de táxi aquático seguiram, culminando com o início do teste de vôo da aeronave anfíbia em 11 de junho de 1975.

 


Os pontões infláveis foram mais tarde substituídos por pontões rígidos, enquanto a fuselagem foi alongada e motores de partida acrescentados. Esta encarnação foi dada a designação 14M1P. No entanto, o departamento encarregado de fornecer a bateria 12 RD-36-35PR prevista para os motores de elevação não entregaram, e isso tornou impossível os testes VTOL.

 

Após a morte de Bartini em 1974, o projeto diminuiu e, finalmente chegou ao fim, a aeronave realizou 107 vôos, com um tempo total de vôo de 103 horas. Os restantes VVA-14, n° 19.172 só foi retirado para o Museu Central da Força Aérea da Federação Russa, Monino em 1987. A aeronave ainda reside no museu em um estado desmontado, exercendo o número ‘10687’ e ‘Aeroflot’.

 

Leave a Reply